Na contramão do mercado financeiro do Brasil em 2016, que resultou no fechamento líquido de mais de 108 mil lojas no comércio varejista, o e-commerce apresentou um faturamento de R$ 44,4 bilhões, um crescimento de 7,4% em relação ao ano anterior.

Segundo o IBGE, o varejo físico encolheu 10% nos últimos dois anos, enquanto isso, o comércio eletrônico arrecada cada vez mais. Esses dados provam que as compras pela internet têm atraído os consumidores, migrando-os para as plataformas digitais.

E, mais, pesquisas revelam que as compras online por meio de celulares e tabletes têm aumentado. Dados do Webshoppers mostram que as compras online via aparelhos mobile foi de 12% em 2015 e de 21,5%, em 2016, um crescimento de 84%.

A justificativa para os dados é o tempo que o consumidor passa nos dispositivos mobile.

“O usuário digital migrou para aparelhos smartphones e passa grande parte do seu tempo consumindo conteúdo online, comparando produtos e, por fim, realizando compras” explica Flávio Mello, CEO da Blank Agência Criativa.

Por causa dessa adesão 24 horas dos usuários mobile, agora é o momento em que empresas precisam investir em suas plataformas, em especial as de e-commerce, para melhorar a experiência de seus clientes no ambiente digital.

As expectativas para o e-commerce em 2017 são otimistas. Acredita-se num faturamento em torno de R$ 50 milhões e um crescimento de 12% no setor. Segundo o E-bit, as compras via mobile pode representar até 32% das vendas online neste ano.

Por Amanda Tambara

Fontes: digitalks e Agência Brasil.